Informações técnicas


Este blog é dedicado à divulgação das atividades do Clube de Astronomia e do Observatório Astronômico Didático Capitão Parobé do Colégio Militar de Porto Alegre.

Localização

Rua Cleveland, 250, bairro Santa Tereza, Porto Alegre

Rio Grande do Sul – Brasil

30º03’55”SUL 51º13’04”OESTE

Altitude: 75m

Características óptico-físicas do telescópio Celestron C11

Sistema óptico: Catadióptrico Schmidt-Cassegrain; Abertura (D): 11pol (279,4mm); Distância focal do espelho primário(F): 110,2 pol (2799,1mm); Razão focal (número f) = F/D: f/10; Maior aumento útil: 660X; Menor aumento útil: 42X; Poder de resolução (s) = 11,6”/D: 0,42”; Resolução fotográfica: 200 linhas/mm; Poder de concentração de luz: 1593X; Magnitude visual limite m lim = 2,5 . log (D / 6,2) 2 + mVS: 14,7; Foco próximo com ocular: 60’; Foco próximo com câmera: 60’; Comprimento do tubo óptico: 25 pol (635,0mm); Massa: 27,5 libras (12,5kg).

Características óptico-físicas do telescópio Celestron CPC800

Sistema óptico: Catadióptrico Schimidt-Casegrain; Abertura: 8pol (203,2mm); Distância focal: 2032mm (80”); Número f: f/10; Maior aumento útil: 480X; Menor aumento útil: 29X; Poder de resolução: 0,57”; Resolução fotográfica: 200linhas/mm; Poder de concentração de luz: 843X; Magnitude visual limite: 14,7; Comprimento do tubo óptico: 17”; Massa: 42 libras (19,1kg).

terça-feira, 23 de março de 2010

Nem só de estrelas vive um astrônomo . . .


Para quem acha que trabalhar em um observatório a vida é plena de momentos românticos olhando as estrelas, esquece que de vez em quando é preciso faxinar o ambiente. Principalmente pelo fato de que o ambiente de um observatório que tem uma arquitetura idêntica ao nosso vive constantemente aberto, pois tendo teto móvel para observação não é possível a colocação de forro entre o piso e o teto, o que permite a entrada de pequenos animais rasteiros e muita poeira vinda do exterior. No dia 4 de março, numa manhã ensolarada, com temperatura em torno dos 30ºC, empunhamos vassouras, panos e baldes com água para aquele saudável exercício. As fotos comprovam nossa "alegria" no empreendimento.

Atividade em Osório rende reportagem em jornal local e no Correio do Povo


A atividade de observação do céu realizada na quarta-feira passada, dia 17 de março no morro da Borússia, Osório, RS, rendeu reportagem em jornal local daquela cidade e no jornal Correio do Povo de Porto Alegre, na data de 22/03/2010.

(Crédito da imagem: reportagem escaneada do jornal Momento, de Osório, RS, enviada por por e-mail pelo professor Marcio Fenili, da FACOS).

Acione o cursor do rato sobre a imagem para ler a reportagem.

segunda-feira, 22 de março de 2010



22/03/2010 - 07h22
Cientistas observam produção em massa de estrelas há 10 bilhões de anos
(BBC BRASIL)


Um grupo internacional de astrônomos descobriu uma galáxia que há 10 bilhões de anos produzia estrelas numa velocidade 100 vezes mais rápida do que a da Via Láctea atualmente.
Segundo os pesquisadores liderados pela Universidade de Durham, na Grã-Bretanha, a galáxia conhecida como SMM J2135-0102 produzia aproximadamente 250 sóis por ano.
"Essa galáxia é como um adolescente passando por um estirão", comparou Mark Swinbank, autor do estudo e membro do Instituto de Cosmologia Computacional da universidade britânica.
A pesquisa, publicada no site da revista científica Nature, revelou que quatro regiões da galáxia SMM J2135-0102 eram 100 vezes mais brilhantes do que atuais áreas formadoras de estrelas da Via Láctea, como a Nebulosa de Órion, indicando uma maior produção de estrelas.
"Galáxias no início do Universo parecem ter passado por um rápido crescimento e estrelas como o nosso Sol se formavam muito mais rapidamente do que hoje", disse.
A mesma equipe já tinha descoberto, em 2009, uma outra galáxia, MS1358arc, que também formava estrelas em uma velocidade maior do que a esperada há 12,5 bilhões de anos.
"Nós não entendemos completamente por que as estrelas estão se formando tão rapidamente, mas nossos estudos sugerem que as estrelas se formavam muito mais eficientemente no início do Universo do que hoje em dia", explicou Swinbank.
A galáxia SMM J2135-0102 foi encontrada graças ao telescópio Atacama Pathfinder, no Chile, operado pelo European Southern Observatory. Observações complementares foram feitas com a combinação de lentes naturais gravitacionais de galáxias nos arredores com o poderoso telescópio Submillimeter Array, no Havaí.
Por causa de sua enorme distância e do tempo que a luz levou para alcançar a Terra, a galáxia só pode ser observada como era há 10 bilhões de anos luz, apenas três bilhões de anos após o Big Bang.


FONTE:
http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/bbc/2010/03/22/cientistas-observam-producao-em-massa-de-estrelas-ha-10-bilhoes-de-anos.jhtm




(FONTE: ASTRONOMY, 2010, 38:(4))